Passeio Enogastronômico – A Pisa da Uva em São Roque

Projeto Patrimônio
Bauru, o Sanduíche da Cidade / Bauru , the City’s Sandwich

Passeio Enogastronômico – A Pisa da Uva em São Roque

Colheita das uvas nos parreirais

A pouco mais de 60 Kms de São Paulo fica São Roque, uma cidade que por conta de sua colonização teve como primeiras culturas a do vinho.

Com grandes extensões de videiras no município, São Roque tem até um roteiro intitulado Roteiro do Vinho, uma estrada onde estão inseridas as principais atrações turísticas e gastronômicas da região que contempla várias propriedades vinícolas. O local tem 13 adegas e um Museu dedicado ao Vinho. São Roque comercializa por ano 17 milhões de litros de vinho. Desse total, 2 milhões são feitos com as uvas produzidas na região. Os outros 15 milhões envasados têm como matéria-prima uvas de outras partes do país. Os dados são do Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque. Ainda conforme o Sindusvinho, a estimativa é de que 30 mil turistas visitem o município todos os meses, uma comprovação do potencial dos atrativos locais.

É no primeiro mês do ano que começa a colheita da uva na região. As principais variedades cultivadas são Isabel, Lorena e Niágara branca, rosada e violeta.

Para comemorar esta data, um dos melhores e mais tradicionais restaurantes de São Roque, o Quinta do Olivardo realiza a Pisa da Uva, um dia de comemoração e valorização da cultura vinícola da região.

Na propriedade onde está localizada a Quinta do Olivardo são cultivados 4 mil pés de uva, que resultam em 20 mil litros de vinho.  “A Pisa da Uva é uma das etapas mais importantes para a produção de um bom vinho e é muito enriquecedor que o turista tenha essa experiência de auxiliar na colheita e pisa”, diz Olivardo Saqui, proprietário da Quinta do Olivardo. “É a valorização da importância que o vinho tem para nossa cultura ao promover a confraternização de amigos e familiares em torno de uma boa mesa”.

Ao pisar a fruta há a extração do suco, mantendo as sementes intactas, diferentemente do que ocorre nos processos industriais, quando há a quebra das sementes, o que pode afetar no sabor da bebida. O esmagamento no lagar com os pés pode demorar horas. Já nas indústrias o processo leva apenas alguns minutos. Quanto maior o tempo de contato com as cascas, mais o sabor e o aroma da bebida serão extraídos. “O segredo está nos calcanhares humanos que trazem corpo, sabor e longevidade à bebida”, ressalta Olivardo.

Pisa da Uva no Lagar

Pisa da Uva no Lagar

Assim que são retirados dos parreirais, os cachos vão para o lagar, construção em pedras usada para a pisa da uva, onde serão pisados e se transformam em vinho artesanal da melhor qualidade. O diferencial é que o preparo não fica só por conta dos produtores. Os visitantes que passam por lá também podem participar da colheita e, é claro, da tradicional pisa dos frutos. A experiência, aliás, é para ficar na memória pelo resto da vida.

No dia da pisa, os visitantes recebem um cesto e um chapéu e, assim como faziam os antigos colonos, percorrem os caminhos formados pelos parreirais para colher os cachos dos frutos.

Colheita das uvas nos parreirais

Colheita das uvas nos parreirais

Ao final da colheita manual, os turistas partem para a parte mais esperada do dia: a pisa. Os cestos com os frutos são despejados no lagar e os visitantes são convidados a subir no espaço para pisar nos frutos, ao som dos tradicionais folclores portugueses. Uma experiência única, que mistura aromas, sensações e prazeres inesquecíveis.

Os grupos folclóricos levarão para a pisa as tradições da cultura portuguesa. Ao som dos folclores lusitanos, o público poderá acompanhar as apresentações e ainda, aprender a dançar os ritmos típicos de Portugal.

Para o almoço, o destaque ficará a cargo da Espetada Madeirense. Suculentos pedaços de carne bovina, espetados em um galho de louro e assados na brasa, servidos com milho frito.  O prato integrou o guia “Roteiros Paulistas – o que fazer durante a Copa do mundo Fifa 2014”, um informativo com 236 páginas com sugestões de viagens, locais turísticos, indicações gastronômicas e hospedagem, entre outras informações úteis para os turistas que vieram para a Copa do Mundo.

A Espetada Madeirense da Quinta do Olivardo também foi premiada no Festival Gastronômico Sabor de São Paulo e está entre os 30 melhores pratos característicos da culinária regional paulista. O festival é promovido pelo Governo do Estado de São Paulo, Revista Prazeres da Mesa e Senac.

Para participar da pisa

Todos os turistas podem participar da pisa da uva da Quinta do Olivardo. Para isso, basta comprar um pacote que inclui o acompanhamento da colheita, a pisa da uva e um almoço completo com as principais delícias da gastronomia portuguesa.

Escolha da Rainha da festa

Pela primeira vez será realizada a escolha da Rainha da Pisa da Uva. As inscrições para as interessadas já estão abertas. O concurso visa premiar a mulher que melhor representar a cultura da pisa da uva portuguesa, com seu carisma, simpatia e trajes típicos.

Para participar, as candidatas deverão se apresentar com trajes típicos portugueses ou jeans e camiseta branca, mas com adornos que façam alguma referência aos costumes portugueses, como lenços, por exemplo. Não há limite de idade.

A vencedora ganhará a quantia de R$300. A 2ª e a 3ª colocadas receberão uma cesta com produtos da casa. A votação será feita pelos participantes do evento. A Rainha da festa será anunciada no dia 30 de janeiro.

Como chegar

A Adega e Restaurante Quinta do Olivardo está localizada no km 4 da Estrada do Vinho, em São Roque (SP), com acesso pelo km 58,5 da Rodovia Raposo Tavares (SP-270). As reservas de mesas têm validade até às 13h e podem ser feitas pelos telefones: (11) 4711-1100 e 4711-1923. Informações adicionais, fotos e vídeos estão disponíveis no site www.quintadoolivardo.com.br.

Serviço: Pisa da Uva na Quinta do Olivardo

Dias:  16, 23 e 30 de janeiro

Horário: a partir das 10h30

Endereço: km 4 da Estrada do Vinho, em São Roque (SP), com acesso pelo km 58,5 da Rodovia Raposo Tavares (SP-270)