Entrevistas com os Chefs da Sicília, Umbria e Piemonte
Entrevista Exclusiva com Chef Rodrigo Oliveira e a Cozinha de Pernambuco

Entrevista com a Chef Naroa Nadales da Piadina Tree

Chef Naroa Nadales

 

OT – Qual foi sua inspiração para trabalhar com as Piadinas?

Chef Naroa – Estudei na Itália Engenharia Aeronáutica e foi ali que conheci a Piadina. Meus colegas e eu frequentávamos semanalmente o local, assim como outros amigos, moradores e turistas. Eu cheguei a trabalhar lá por alguns meses para custear minhas despesas.

Não dá pra apenas gostar de piadina, quem gosta, ama, vicia nela. E foi isso que aconteceu comigo também. Assim, quando me mudei pra São Paulo e não achei nenhum lugar que fizesse piadinas, a solução foi bastante óbvia 🙂

OT – Existem diferenças entre as Piadinas daqui e as da Itália?

Chef Naroa – Certamente sim. Apesar de nossa massa ser praticamente igual à italiana, ainda existem diferenças no tipo da farinha e nas combinações de recheios. Os italianos preferem massa maior com recheios simples e em menor quantidade. Os brasileiros gostam de massa mais fina e muuuuuito recheio. No Brasil, as misturas inusitadas (desde o ponto de vista europeu) são as vencedoras, sem esquecer que mais queijo e mais molho é sempre bem-vindo. Na Itália, prefere-se um frio e um queijo com algum legume (talvez) e azeite extra virgem, nada de misturas. Nós servimos opções para todos os gostos, mas sempre mantendo a originalidade de nossos produtos, a maior parte deles de procedência italiana DOC.

OT – Quais as receitas típicas das regiões de origem da Piadina são oferecidas no Piadina Tree?

Chef Naroa – Nossa estrela italiana é a piadina Originale, que combina mozzarella de bufala, prosciutto di Parma, tomate, grana padano, rúcula e azeite extra virgem. A piadina de Salame e a Caramella que combina cebola caramelizada, peito de peru defumado, queijo brie, rucula e azeite também sao de gosto Italiano. E para finalizar, a Cotoletta, piadina recheada de frango empanado, maionese, alface e tomate, nossa adaptação ao sanduíche chamado de cotoletta, servido na Itália a modo de panino e que é possível achar em qualquer canto de qualquer cidade.

OT – Porque não existiam piadinerias em São Paulo, mesmo com toda a comunidade italiana?

Chef Naroa – A piadina, apesar de ser um prato bem antigo e tradicional (a primeira vez que a piadina apareceu num texto foi em 1371) é caraterística de uma região da Itália em particular: Emilia-Romagna. Então, é comum que outras regiões italianas não a conheçam. Há 10 anos mais ou menos, através de redes de franquias de piadinerias, elas vêm conquistando cada vez mais território italiano, o que fez que muitas pessoas (como nós) a levassem para outros países também. Eu por exemplo, quando morava na Itália, dividia apartamento com 4 meninas italianas (da Sicilia, da Toscana, da Sardegna e da Emilia-Romagna) e apenas 2 delas conheciam a piadina, a da Emilia-Romagna e a da Toscana, pela proximidade das regiões

Conheça o Piadina Tree